Querido diário #01 - Ainda sou eu

Querido Diário,

Oi...Quanto tempo hein?
Sou eu, a Erika, lembra de mim?
A gente se encontrava quase todo dia e eu era só uma menina.
Quantas das suas páginas eu já enchi de segredos, desabafos, sentimentos, rabiscos...
Aquelas páginas se perderam ao longo dos anos, são mais de 30 de vida, sabe? Mas ainda sou eu.
Você se lembra das vezes que te contava como eu tinha ido bem na escola? Ou que meu pai tinha comprado um disco novo pra gente escutar de noite?
Lembra que eu queria ser astronauta, modelo, bailarina e quantas profissões eu pudesse sonhar?
Pois é, eu não conheci o espaço, nem vi a terra do lado de fora do planeta.
Minha carreira de bailarina acabou ainda na infância e a de modelo... acho que não sou bem o “perfil”, se é que me entende.
Mas ainda sou eu.
Aqueles tempos eram maravilhosos.
Pelas manhãs minha mãe fazia penteados nos meus cachinhos pra eu ir pra escola e no final da tarde, saíamos Cherrie e eu correndo pra encontrar meu pai no portão, de volta do trabalho.
Tudo era simples e tranquilo, a vida parecia ir bem devagar.
Eu já não sou mais aquela menina, e a vida... bom,  ela mudou bastante.
Mas ainda sou eu.
Talvez não faça sentido esse nosso reencontro, ou talvez faça. Posso escrever em suas páginas de novo? Eu sei que faz tempo, mas você ainda está aí e eu aqui.
Não vou te colorir ou desenhar florzinhas nos cantos das páginas, nem passar perfume em você ou te guardar debaixo do colchão, não sou mais aquela garotinha, você entende?
Mas ainda sou eu.
E eu posso te contar sobre a minha vida de agora, afinal, é o que fazemos melhor não é?
Lembra dos meus pais? Eles não estão mais por aqui.
É eu sei, isso é triste. E dói.
Nem mesmo a Cherrie está.
Mas posso te contar uma coisa incrível? Eu sou mãe. Você acredita?
Já tenho linhas de expressão, umas boas olheiras e dor nas costas inclusive.
Mas ainda sou eu.
Ainda tenho sonhos, tanto pra viver. E muitas... muitas páginas pra reescrever!
Obrigada por ter me esperado, vai ser bom te reencontrar aqui de agora em diante.

Beijos, Erika.

Nenhum comentário: